RSS

Arquivos diários: 09/09/2013

Minha morada

minha morada

Fecho os olhos e penso
que posso me esconder,
que meus olhos podem escolher
pra onde eu quero olhar
e acredito poder procurar
destinos pra seguir.

Tranco a porta e sinto
que tenho onde habitar,
que em minha morada
as grades irão me conter
e acredito poder ficar
seguro sem me ferir.

Ando pelo mundo
querendo ter
o que não deveria carregar
e vou acreditando me faltar
o que seria inútil conseguir
e que nunca poderia levar

Abro os olhos e penso
que não me iludo ao tomar
os teus olhos como os meus
como se os meus,
já não fossem os teus.
Como se o chão que tento domar
não fosse um dia, me hospedar.

Anúncios
 
 

Etiquetas: , , , , ,

Estradas sem mapas

enhanced-buzz-10658-1340208538-2

A vida é desafiante,
nós a insultamos,
desprezamos
o seu comando,
sua selvageria.

É um silêncio
que incomodamos.
com o barulho
das falas.
Uma nudez,
que recusamos ver
vestidos de ilusões.

A vida é misteriosa
emocionante,
uma viagem
sem destino,
bilhetes
só de ida,
(sem janelas),
estradas sem mapas
na partida.

 
 

Etiquetas: , , ,

Você foi ficando em mim

542970_3474683316283_1205519191_nijk

Você foi grudando em mim,
foi juntando os pedaços,
foi tirando o que havia ruim,
me guiando em teus braços.

Você foi revirando em mim,
preenchendo os espaços,
com cuidado pra não me ferir,
colorindo os meus passos.

Você foi ficando em mim,
se moldando à minha pele,
removendo antigas feridas
abrindo portas e frestas.

Você foi me dando raiz,
foi curando meus cortes,
me deixando feliz e mais forte
bailando em mim como festa.

 
1 Comentário

Publicado por em 09/09/2013 em POESIA, sobre o amor

 

Etiquetas: , , , ,

Deu vontade

480782_428938450531809_2004142213_n

Deu vontade
de te amar
e eu fui te amando,
nem vi o sol
(naquela tarde)
se escondendo…

O mundo
poderia ter acabado,
que eu não saberia.
Eu ainda
estaria ali,
sem saber
pra onde iria
sem te levar comigo.

 
1 Comentário

Publicado por em 09/09/2013 em POESIA, sobre o amor

 

Etiquetas: , ,

Suas retinas

talita

Trago em minha boca
o seu beijo úmido,
e este perfume no corpo
de peles que se misturam.

Desviro a minha alma
em busca de outros rumos,
caminhos não percorridos
que ainda me procuram.

Crio asas pra voar,
mas suas pegadas me aparam.
Sou nômade dos teus gestos,
cárcere das tuas entranhas.

Ouso partir sem te levar
e noto em passos ofegantes
que você é meu lugar,
o espaço que aprendi caminhar.

Procuro frestas em suas retinas
como as manhãs entre as cortinas
e vejo a vida em seu olhar
me mostrando onde pulsar.

 
 

Etiquetas: , , , , , , ,

Vestir você

vestir voce

Já não sonho.
Essa vontade de te ver
me deixa insone.
Me pego me arranhando,
sem saber o que me resta,
tudo que eu tinha
era você.

Já não gosto do sol
da chuva no telhado,
nem das andorinhas das manhãs
na nossa janela.
Não ligo as luzes, as arandelas,
para escolher as nossas roupas
combinar seus sapatos,
-vestir você

Já não canto
não faço melodias
nem pinto aquarelas
com desenho dos teus olhos.
Não mais me encanto,
nada na vida é tanto,
pra ter motivo de sorrir,
-seguir sem você.

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 09/09/2013 em POESIA, solidão

 

Etiquetas: , , , ,