RSS

Arquivo da Categoria: estar no mundo

Apego

tumblr_mr83gagCD01rt2gepo1_1280

Tenho tantas necessidades!
Poema, cinema, porão.
…sentir calma.
Cremes estranhos que ardem na pele.
Ansiolíticos, palitos de dente,
meias de algodão,
tristeza de branco.

Tenho necessidade do diabo.
Chinelos, chuveiros, criar pombos,
emprego, dinheiro, flagelos.
Sentir raiva aos domingos.
Incenso, cavernas, segredos,
pão com manteiga, carregar bússolas…
Água com açúcar.

Tenho necessidade de gente.
Cartomantes, perfume, vitamina d,
ouvir musica de preto.
Abraços, ventania, imensidão,
ouvir as batidas do coração,
trancar gavetas, balas de hortelã,
andar descalço, doce de leite.

Tenho necessidade de Deus.
Coentro, solidão, chuva,
…ter alegria.
Sentir cheiro de feijão,
gomos de laranja,
gotas de novalgina,
horas e horas
dentro de mim.

Anúncios
 
1 Comentário

Publicado por em 07/10/2013 em estar no mundo, POESIA

 

Etiquetas: , , , ,

Sonhos na mochila

mochila

Eu também já fui soldado,
já fui moldado a guerra,
já estive na terra
rastejando pelo chão
por não saber negar.

Eu também já fui julgado,
condenado por heresia,
tive que calar a voz
por não querer cantar
os versos dessa hipocrisia.

Eu também já fui premiado,
ganhei medalhas de sonhador,
admirado por ser um bom ator
representado seres sem alma,
(personagens que não sabiam sorrir).

Eu também não pude fugir
tendo sonhos na mochila
e um coração cheio de valsa,
mas fui vendo meus sapatos
não caberem mais em mim
neste mundo de pessoas descalças.

 
 

Etiquetas: , , , ,

Passos na escada

576999_495511050485791_26329332_n

Os porões do meu coração
guardam ainda alucinações.
Tenho medo de tocar as feridas
que ainda secam nas coisas
que já nem sei mais por que guardei,
num relicário cheio
de pingentes esquecidos.

A lembrança guardou nossos passos na escada,
emitem sons na casa quando dormem,
os portões rangem no resvalar do vento,
e a tristeza me faz lembrar o silencio
que ficaram nas coisas que se calaram
e que pensei ter esquecido,
mas, que nunca pude enfrentar.

Sinto falta de ouvirmos a chuva,
vendo as gotas escorrerem na janela,
escolhendo peças no armário
vestindo velhas fantasias
rindo de coisas tolas e banais.

O som da minha dor vem destoar
as cicatrizes da casa vazia,
nas coisas que construímos juntos,
e o sussurro de uma lágrima que cai,
parece rasgar meus olhos endurecidos
por não saberem ainda perdoar.

 
 

Etiquetas: , , , ,

Cirandas

tumblr_m7e6f3SQOu1qaoqu9o1_500

Eu vou partir
na canção dos galhos e do vento.
Deixarei os meus sentidos
dançarem ao firmamento.

A tarde vai se deitando, ela me nina.
Os meninos soltam pipas, parece poesia.
Vejo formas e pessoas como cirandas,
passeando dentro dos meus olhos.

As gavetas vazias de emoções,
ainda cheia de memórias,
guardam a incerteza das minhas mãos
escolhendo calcinhas e perfumes.

Os rabiscos das paredes,
(com seus segredos indecifráveis),
revelam paixões proibidas da meninice
que se tornaram inofensivas pelo tempo.

Ouço com paciência,
o barulho das pessoas e seus passos,
criando necessidades que já perdi,
jogados aos trajetos que caminhei.

As folhas das arvores caem saltitantes no outono,
vagueio entre os cômodos e pássaros nas janelas,
ensaio passos frágeis na varanda e me canso,
meus sonhos querem descansar.
Talvez… Já seja hora de partir.

 
 

Etiquetas: , , , , ,

Seres estranhos

1184860_568251819901675_610352805_n

A porta range quando eu entro.
Empurro meu mundo aos cômodos
que me deixam habitar.

Seres estranhos que vivem em mim,
vêm me libertar das estradas
e das suas tocaias.

Deixo fora minhas armas e amarras
Minhas armadilhas e outras moradas.
Escondo minhas pedras sob o tapete.

A porta range quando eu parto,
ensaio súbito, um grito que arde
vestindo armaduras de guerra.

Seres estranhos em mim se aglomeram
tomam posse dos meus rumos
e das minhas entranhas.

Resgato os meus canhões,
a minha mira aguçada,
e um estranho gosto por sangue
na minha cara de marra.

 
 

Etiquetas: , , , ,

Cuida de mim

10fbb52771d1fc7d6234684ff268baeb_1

Cuida de mim, do meu punhal,
da minha sede animal,
de ter surrado quem não podia,
cometido crimes que não queria.

Cuida de mim, da minha mágoa,
do rancor ter sido tanto,
de não ter dado acalanto,
nem aprendido perdoar.

Cuida de mim, da minha farda,
da minha veia de vingança,
do sangue marginal que acovarda
essa fome voraz que não se farta.

Cuida de mim, do meu estrago,
do anel inútil que me decora,
da soberba de se sentir tão raro,
e ser mais um que também chora.

Cuida de mim, do meu desatino,
dos espinhos que não deixaram de doer,
das coisas que me entrego sem poder
sem saber por onde levam seus caminhos

Cuida de mim, dos meus pés,
das pedras que mereço pisar,
por saber que por onde eu ando
não tenho estadia pra ficar.

 
 

Etiquetas: , , , ,

Enxurradas

tumblr_m3ohvxjm9m1qepicbo1_400
Sou um bicho. Tenho cáries.
Fuço as ruas como enxurradas.
Sou sarjetas, quando nua.
Fujo só, quando assustada.
Sou silaba que se junta quando iro,
palavras que se amontoam quando calo.
Uma janela que reflito
quando me espelho.
Eu parto em febre se preciso maturar.
Os meus olhos tem das ruas as fuligens.
Memórias das esquinas acidentadas.
Não sei dos dedos o que fomentam,
nem mesmo neles, o que rascunham.
Ás vezes,
eu me quero barro, desenhando.
Pedaços de estradas, me levando.
Folhas de outono ao chão, se misturando,
e chuvas que acalentam o coração.
Outras vezes,
sou semblante, desfigurado.
Sob o céu em cinzas da cidade, sou flagrante.
Da poeira que se ergue sou errante.
Num estado de verbos indefiníveis,
as coisas são.
Partilhei segredos fúteis e violei canções.
Cheguei aqui entre seus dentes como fome
e mesmo, sem saber, o que ainda era são,
fui tomando posse deste chão.
 
 

Etiquetas: , , , ,

Caminhos de volta

935850_314629345340412_995195674_n

Agradeço…
Posso ir sozinha.
Tenho os pés que ainda me amparam
e fé nas estrelas que vão me guiar.

É muita bondade tua
ter estendido as tuas mãos,
mas eu tenho desafios
que preciso vencer.
Com os braços que Deus me deu
eu vou tentar.

Valeu…
Foi bom saber, que você tem
sinceridade no olhar,
coisa rara de se ver.
Não entenda como orgulho
é um defeito meu, me aventurar.

Foi bom estar com você,
saber que poderia ficar,
mas o destino me chama,
vou levar no coração
a pessoa preciosa que você é.
Coisa rara de guardar.

Não sei se voltarei,
é melhor não me esperar
não sei onde estarei.
É uma sina minha
ter os pés sempre afobados
e continuar.

 
 

Rasuras

images09
Esta dor é minha,
ninguém verá suas rasuras,
não haverá testemunha,
desta alma  que  definha.
Esta sina é minha.
deixe escorrer,
varrer quintais,
buscar sentido pra perecer.
Não tente entender
sondando meu caminho
o falso destino
que quis seguir
Feche os olhos
(não suportando ver)
os reais motivos
de eu me ferir
Deixe  pulsar, supurar
o que meu peito suportar
deixe jorrar da jugular
o que  meu sangue  revelar
Deixe partir, doer…
se perder pelo chão,
me despedaçar, moer
arrancar do coração
o que faltar pra chorar.
 
 

Ainda nem dormi

Surtei assombrosamente      tumblr_lquqnxiS711qad4ino1_1280
quando conversamos ontem,
ainda nem dormi.
Meu cigarro acabou
no começo da noite,
morri e revivi várias vezes,
gastei várias vidas
…Talvez à toa,
pensando ser alguém
que as possuíssem.

A vida me caçoa,
deixando sempre eu acordar,
Não sei quantas vidas carrego!
Você sabe? Então me conta.
Não sei se isso é bom,
que porra de animal eu sou,
que não sabe quanto
pode ainda respirar,
para poder apenas
morrer como alguém normal.

Vesti tantas fantasias,
Tentando não chorar,
o chapéu do falador serviu tão bem!
Justamente em mim que falo
tantas asneiras juntas,
justamente em mim que quero
a chuva me encharcando
e retiro tudo que impede
dela me desmanchar.

Claro, que eu deveria calar a boca,
só para escutar alguém
mas quando precisar mentir,
não saberei como fazer!
Você sabe? Então me ensina.
E se eu precisar me reconhecer
não saberei qual voz é minha
nem aquilo que me infesta,
Você sabe o que eu sou?
Então me adestra.

 
 

Etiquetas: , , , , ,