RSS

Arquivo de etiquetas: chão

Quando amanhece

Tento fazer do meu chão                                       images (42)
minha oração,
meu medo não é tão óbvio
as vezes parece até coragem
…uma roupagem
que se disfarça.
Este mundo não é meu,
ele me perdeu,
tento reencontrá-lo
quando nos meus sonhos
me encanto por habitá-los.
Dentro dos meus olhos
tem uma vida que se fere
braços que viram concreto
e mãos que limpam o lodo
quando amanhece.

 
 

Etiquetas: , , , , ,

Medo de errar de novo

15333172

Tantas coisas cabem nos meus olhos,
e tão poucas no coração.
Um mural de fotos velhas,
horizontes que me estimulam viver,
mentiras que um dia foram verdades
alguns amores
que foram ficando
e não souberam partir.
Lembranças que eu preservo
com medo de me esvaziar.

Tantas coisas já habitaram meu coração
e tão poucas ficaram,
o ódio de ser tão frágil,
o sereno nas calçadas que pisava
sem precisar chegar.
Pequenos desafios
que venci inutilmente
e essa vontade
de querer aplumar meus passos,
com medo de errar de novo.

Tantas coisas moram dentro de mim,
movem-se nos meus sonhos e
ajustam meus braços pra alcançar.
Batem no peito com mais força
e ensinam esperar
a hora certa de chorar,
a luta certa pra vencer,
a pessoa certa pra sorrir,
e o chão seguro pra me levar.

 
1 Comentário

Publicado por em 10/09/2013 em incentivo, POESIA

 

Etiquetas: , , , , , , , , ,

Parte de mim

tumblr_mbil4ul5uL1qcwiu0o1_500

O que ficou nos olhos,
ficou também no vão
da garganta.
Ficou na penumbra
do nosso chão.
No limite do abismo,
na fala que eu já não tinha

Ficou espatifado
pelos cantos do coração
que ainda batia,
pelos poros, pelas sombras,
pela falta de razão de viver,
de existir ainda
algo de mim.

O que doeu no peito,
doeu também
nas portas das manhãs
(que ficaram frias),
entreabertas
pela decisão da vida,
de tirar você de mim,
de não saber
por onde recomeçar,
por você não ser mais
parte de mim.

Doeu o rude olhar de adeus,
que adiei assimilar,
tive medo de chorar
e me somar ao chão,
ser pedaços de algodão
misturado aos travesseiros.

Não pude,
me olhar sem ti
enfrentar o medo
de abrir a porta
e não ter ninguém.
e apenas ver
esse pedaço de mim,
que sobreviveu

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 08/09/2013 em desilusão, POESIA

 

Etiquetas: , , , ,