RSS

Arquivo de etiquetas: humildade

A grande ilusão do Eu

21_01_2008_0373212001200930056_carioca

Cada vez que você lê o que eu escrevo, você lê o que interpreta dentro de você, nunca vai ler o que eu quero dizer realmente, pois o que eu quero dizer pertence apenas a mim e ao meu universo. Embora, eu saiba que seja difícil entender, em verdade, cada um tem seu próprio universo.
As minhas palavras vão passar pelo seu filtro interpretativo para depois serem conhecidos pela sua razão.
Todas as vezes que olhar para si mesmo, não verá a realidade de um ser, mas a imagem construída de alguém que você se identificou a vida toda. Nunca esse ser humano que você diz ser “EU MESMO” será o verdadeiro ser que você é.
Até ao dizer estas palavras, primeiro, este hóspede (que você acha que é você) vai achar que é com ele que estou falando e vai de imediato me chamar de idiota. Como se fosse possível haver outro alguém dentro de você. Pois é, aí reside o problema! Você vai procura-lo no lugar errado.
Não existe ninguém aí pra você confrontar, dar uma boa olhada e dizer: Então este sou eu. Enfim achei você que se diz ser EU, desista desta procura, é um conselho de quem não fez outra coisa nesta vida além de procurar algum SER REAL dentro de si.

O olho que tudo vê

A realidade ultima do ser não pode ser conhecida, pois é ele que esta conhecendo, assim como o olho não pode se olhar ou o dedo não pode tocar a si mesmo.
Entendido isso, vamos então, mudar de assunto, o que eu digo é inútil para minha vida e não vai me levar a lugar nenhum. Você poderá pensar assim, lendo estas palavras. Mas será mesmo?
Se existe alguém ou algo que observa tudo que sou e não pode ser observado, então o que é visto (neste caso, aquele que você chama de EU) não é a verdadeira consciência, o verdadeiro observador, visto que é você que observa o mundo e tudo que nele contem, incluindo aquele que você chama de EU mesmo! Não deixa de ser uma visão, uma ideia de si na falsa interpretação desta realidade ultima.
Palavras podem ser invalidas na mente de quem não tem interesse de ir além, assim como este texto está direcionado á quem dele souber tirar proveito, eu apenas reforçarei o que digo, para que aqueles a quem for dirigido estas palavras possam ter o seu sentido aproveitado no alivio de muita incompreensão que, como nuvens carregadas, escurecem a nossa visão e pensamentos.

O mito da humildade

Quem sou eu? Esta é a pergunta que se faz agora e talvez a pergunta mais feita pela humanidade e de forma alguma tenho eu a pretensão de responder esta pergunta.
Eu não sei quem sou eu, mas sei que não sou esta pessoa que vejo viver no mundo. E isto para mim, neste momento, é suficiente saber.
Agora que descartei ser o que é visto, basta seguir adiante sem esta ilusão. Então as coisas que me importava tanto em mim, começam a ser menos importante, começo o processo da não identificação com o corpo e mente que imagino ser eu.
Enfim o processo da humildade se instala em mim e pareço menos apegado a esta imagem que faço de mim. Pode não parecer, num primeiro momento, que isto tenha algum valor para você, muito pelo contrário, ser humilde é para pessoas incapazes e derrotadas. Eu vou lutar por mim! Pensaria você assim, esse papo de observador e observado é uma falácia. Não julgue com tanta pressa esta palavras, pense um pouco! O estado de realização e compreensão precisa passar pela anulação de si. Parafraseando Jesus “Aquele que quiser salvar a sua vida a perderá, mas aquele que perdê-la a salvará

Anúncios
 

Etiquetas: , , , ,

A fé no banco dos réus

181475_419808831384738_1944662924_n

A hipocrisia da fé em Deus

Segundo definições colhidas no meio religioso, filosófico e fontes alternativas, Deus é a inteligência suprema, justiça perfeita, amor sublime e causa primaria de todas as coisas.
Nada pode acontecer se estas causas não estiverem em ação, a respeito disto a maioria esmagadora do segmento religioso está de acordo.
Isto implica dizer que se cair um poste na minha ou na sua cabeça, o único agente é Deus.
Pois nesta ação estará: o amor sublime (o amor acima de todas as coisas) justiça perfeita (ação e reação) e inteligência suprema (onipresença, onipotência e onisciência).
O exemplo do poste também vale para as bactérias, as deformações físicas e mentais e todo manifesto vibrante do qual se é sensitivo.
Fazem parte deste cenário, a imagem estonteante de um por de sol, o orgasmo, o amor correspondido, a felicidade da conquista de um objetivo, a saúde recuperada e tantas outras possibilidades desta manifestação. Tudo que move é sagrado.
Se aceitássemos essa pequena definição, a humanidade já estaria salva e todas as coisas estariam corretas e organizadas por esse poder infinito. Desta forma, sim! Teríamos enfim: fé em Deus.
Mas aquilo que chamamos de fé é uma tentativa fálica de organizar o mundo, conforme nossos critérios. O mundo que é dado é também retirado a qualquer momento e nada podemos fazer. Nem mesmo assim, deixamos de tentar ser o dono de suas ações e do ambiente, num exercício infantil de controle. Por mais que esperneiem as ciências agregadas, a psicologia e a filosofia e mesmo até, a religião, nós não somos controladores de nada, antes controlados por uma força superior a nossa que imaginamos poder negociar.

Negócio da China.

Por sermos humanos somos dotados de ego, agente individualista, que quer nos apartar da humanidade e construir um castelo próprio para as nossas fantasias. Um reino que nos aproprie do julgamento sobre o certo e errado e que nos faça sentir superiores aos outros e assim atestar uma existência de destaque.
Como os acontecimentos da vida não atestam essa sandice o mundo externo e a humanidade passa a ser objeto de conquista.
Saímos à caça de aliados que nos auxiliem na tarefa de valorizar a imagem representativa de um vencedor. A mídia sabe que você esta em busca desta autoafirmação e nomeia os bens materiais como objetos representativos de superioridade. A busca para amealhar bens e conquistar um trono para o assento da bunda desembesta: Fica estabelecido o objetivo humano. Num jogo com regras obscuras e prêmios questionáveis.

Negociando com Deus.

Na luta desenfreada e irracional de se tornar vencedor, o homem enfrenta na vida um inexorável inimigo chamado “destino”, do qual não faz ideia de como moldá-lo a sua vontade.
Nessa falta de rédeas e sensibilidade altruísta de se render a soberania da destinação da vida, novamente sai à caça de aliados e encontra na religião a promessa de uma vida melhor e mais ajustada a seus anseios egoístas, onde tem na fé, seu maior trunfo.
A fé se torna uma força interior capaz de “remover montanhas”, e nesta crença confundida com a ótica humana de saber o que lhe é melhor, torna a vida um campo de ideologias individualizadas onde não existem acordos nem aceitação de viver em sintonia com a vida universal. O que o outro pensa, deseja e precisa me oprime, devo desconsiderar sua existência por minha moral construída em cima das minhas ilusões, pois o mundo precisa satisfazer a minha vontade, mesmo que ela seja regida pela minha visão mesquinha de convivência.
A fé que começo a construir a partir deste raciocínio, descredencia Deus de ser a causa primaria de todas as coisas e dá a ele a impotência diante de tudo. Um mero observador que senta num trono e fica torcendo pelas conquistas que almejamos. Uma imagem dantesca onde imperaria o maniqueísmo e o acaso.
Desta forma eu aceito a ideia do diabo como o outro que não aceita as normas de moralidade e ética que eu creio como reais. O Deus que eu construo luta por mim, enquanto o diabo luta pelo outro (“o inferno são os outros” – Jean Paul Sartre), Neste ambiente se ergue a religião, onde busco adeptos a minha crença.
A religião é o instrumento de descontentamento com a realidade. A terra prometida de ilusões humanas, Não se trata de Deus. Segue assim, um mapa comportamental (cartilha do medo), para aquisição de um objetivo insubstancial.
Antes, uma fuga do momento imediato para um futuro que nunca se apresenta por não existir como manifesto. O futuro nunca está a nossa disposição como experimentação ou usufruto, em verdade é um engodo que nos entregamos por não sabermos lidar com o momento único da existência: O agora.

A verdadeira fé.

Aquele que tem a aceitação no que acontece e age com complacência com o destino, tem a fé em sua verdadeira essência, não se pode confundir com um comportamento omisso diante dos acontecimentos. Não é disso que se trata! Fé em Deus é entrega total na oportunidade de viver, é submissão às leis da natureza e existência. É um exercício de atuação na idealização divina e amorosa, na qual, a nossa adaptação e representação se tornam intimamente qualificada para novos papeis na criação. Papeis que vão se tornando mais complexos e mais desafiantes, conforme a superação. Esta é a conquista real, o reino dos céus, a evolução espiritual, o samadhi, o nirvana, a consciência cósmica, etc…
Ter uma vida, completamente desgraçada é um papel que sua verdadeira essência se propõe a atuar(Deus não joga dados e não erra). Pedir a Deus que mude seu papel através da fé é fazer a inútil tentativa de ir contra a sua verdadeira natureza e suas habilidades, contra aquilo que se é mais apto a realizar no teatro da existência.
Infelizmente a maioria irá pensar que isto é uma tremenda idiotice, assim como eu já pensei, mas com o passar do tempo e essa ideia batendo na cabeça, vivenciando cada dia com esta verdade, fui me tornando muito mais livre e muito mais feliz. Aprendendo a ter fé na vida sem me ocupar em me revoltar com o destino e não medindo forças com Deus e as circunstancias da vida. Apenas deixando o amor tomar conta do meu ser, num gesto grandioso de humildade e respeito por Deus, suas regras e seus planos de criador.

 

Etiquetas: , , , ,